Pássaro

Autor: a partir de Maeterlinkk
Encenação: Joana Craveiro
Estreia: 12 de Novembro

Co-produção com o Teatro do Vestido

 

  

Sobre o Espectáculo

1. Começar Sem vontade de partir, com medo, sem saberem quem era a pessoa que os veio chamar a saírem da sua zona de conforto, sem uma perspectiva clara sobre o que eram realmente as coisas, sem perceberem a cartografia disponível, sem terem a certeza sobre o que levar (não era suposto levarem nada, e isso assustou-os).

2. Subir Os caminhos a subir são dolorosos. Claro que são. Os nossos músculos estavam um bocado adormecidos e de qualquer forma o problema nem foi esse – é que a subida nunca mais acabava.

3. Manter Ao chegar ao topo, deparámo-nos com uma planície imensa a perder de vista. Ao princípio parecia que ia ser mais fácil do que o anterior. Engano total: descobrimos a dificuldade de manter o passo, a respiração e a determinação num caminho plano, sempre igual, e interminável.

4. Escolher Era uma encruzilhada. Não tinha setas.

5. Abandonar Não chegou a haver abandono. Em 4. tomaram decisões opostas. Isso era permitido.

6. Não acabar Nada a declarar sobre isto. Também era permitido.

 

 

Ficha do Espectáculo

Direcção/Textos: Joana Craveiro; Interpretação: Nuno Pinto e Rosinda Costa; Direcção de produção: Nuno Pinto(CTS) e Sandra Carneiro(TdV); Espaço cénico: Gonçalo Alegria; Movimento/Figurinos: Ainhoa Vidal; Dramaturgia: TdV; Ruído: Gonçalo Alegria; Desenho de luz: André Rabaça e Gonçalo Alegria; Imagem gráfica: André Rabaça e Gonçalo Alegria; Montagem: André Rabaça e Pedro Tomé; Operação de luz e som: André Rabaça; Assistente de produção: Nuno Machado e João Mais; Secretariado: Cristina Costa